terça-feira, 21 de outubro de 2008

Uma perspectiva sobre as nossas Ilhas. Santa Maria!!!


A ilha de Santa Maria situa-se no extremo sudeste do arquipélago dos Açores, fazendo parte do seu Grupo Oriental. Tem uma superfície de 97,4 km² e uma população residente de 5 578 habitantes distribuída pelas cinco freguesias que compõem o concelho de Vila do Porto, o único da ilha.
Terá sido a primeira ilha dos Açores a ser avistada, por volta de 1427, pelo navegador português Diogo de Silves. Cristóvão Colombo escalou na ilha no regresso da sua primeira viagem à América (fevereiro de 1493).


O principal pilar de sustentação da economia da ilha é a actividade aeronáutica, com o Aeroporto de Santa Maria e o Centro de Controlo Aéreo do Atlântico, o qual administra a FIR Oceânica de Santa Maria, uma das maiores e mais importantes regiões de informação de voo do Mundo.
Localizada no extremo sudeste do arquipélago dos Açores, a cerca de 100 km ao sul da ilha de São Miguel e a cerca de 600 km da ilha das Flores, Santa Maria é a ilha mais antiga do arquipélago, com formações que ultrapassam os 8,12 milhões de anos de idade, sendo por isso a de vulcanismo mais remoto. Esta idade comparativamente avançada confere maturidade ao relevo e explica a presença de extensas formações de origem sedimentar onde se podem encontrar fósseis marinhos. É também a única dos Açores que não apresenta actividade vulcânica recente, embora esteja sujeita a sismicidade relativamente elevada dada a sua proximidade ao troço final da Falha Glória (zona de fractura Açores-Gibraltar).
Com apenas 97,4 km² de área emersa, forma grosseiramente oval, com um comprimento máximo no sentido noroeste-sudeste de 16,8 km, a ilha está dividida em duas regiões com aspecto geomorfológico nitidamente contrastante:
Uma extensa região aplanada e baixa, ocupando os dois terços ocidentais da ilha, com uma altitude máxima de 277 metros acima do nível do mar nos Piquinhos, com solos argilosos. A baixa altitude não permite a intercepção da humidade atmosférica, gerando um clima seco, que dá a esta região da ilha um carácter distintamente mediterrânico, em forte contraste com o resto do arquipélago. No extremo sudoeste desta zona aplainada situa-se a vila de Vila do Porto, a maior povoação da ilha (com cerca de 65% da população residente) e as freguesias de São Pedro e de Almagreira. O aeroporto de Santa Maria ocupa toda a faixa litoral oeste da ilha, aproveitando a paisagem naturalmente plana do local e a ausência de obstáculos nas suas zonas de aproximação. Na costa sudoeste, na foz das duas ribeiras que ali confluem, encontra-se uma profunda enseada onde se localiza o porto da Vila do Porto. Uma larga baía a norte, abriga o porto dos Anjos, o povoado mais antigo da ilha, e o local de desembarque de Cristóvão Colombo. O terço oriental da ilha é constituído por terras altas, muito acidentadas e esculpidas pela erosão. Nesta zona situa-se o ponto mais elevado da ilha, o Pico Alto, com 590 metros de altitude, e os picos das Cavacas (491 m) e Caldeira (481 m). A intercepção da humidade dos ventos leva à formação de nuvens orográficas em torno do pico, propiciando abundante precipitação oculta e dando à área condições para a existência de uma vegetação rica e de alguma agricultura. Nesta região situam-se as freguesias de Santa Bárbara e de Santo Espírito, as mais rurais e mais agrícolas da ilha. A geologia da ilha caracteriza-se pela presença de um substrato basáltico deformado por fracturas que seguem uma orientação preferencial NW-SW, no qual está intercalada uma densa rede filoniana com a mesma orientação. Intercalados nos basaltos encontram-se algumas formações de carácter traquibasáltico. Sobre estes materiais encontram-se extensos depósitos fossilíferos, incrustados em depósitos calcários de origem marinha, formado num período de transgressão em que o oceano se encontraria a cerca de 40 metros acima do actual nível médio do mar. A presença destes depósitos, únicos nos Açores, originou na ilha uma indústria de extracção de calcário e fabrico de cal, que atingiu o seu auge no princípio do século XX, encontrando-se há muito extinta. Os depósitos fossilíferos de Santa Maria despertaram grande interesse da comunidade científica, levando a numerosos estudos paleontológicos, desenvolvidos a partir do terceiro quartel do século XIX. Publicaram estudos sobre os fósseis da ilha, entre outros, Georg Hartung (1860), Reiss (1862), Bronn (1860), Mayer (1864), Friedlander (1929) e José Agostinho (1937). A importância científica dos depósitos fossilíferos levou à criação, pelo Decreto Legislativo Regional n.º 5/2005/A, de 13 de Maio, da Reserva Natural Regional do Figueiral e Prainha, incluindo o Monumento Natural da Pedreira do Campo, uma zona de particular interesse geológico.
A antiguidade da ilha e a fama que a existência de calcários lhe confere, levou às crenças, errôneas, de que a ilha não seria vulcânica, a de que nela não ocorreriam sismos. Esta última foi desmentida, por exemplo, pelos fortes sismos de Novembro de 1937 e de Maio de 1939, e pela recente crise sísmica de Março de 2007.
A região ocidental da ilha está recoberta por um solo argiloso de cor avermelhada, resultante da profunda alteração de piroclastos de idade pliocénica, formados quando o clima da ilha era muito mais quente e húmido do que o actual e o nível médio do mar se situaria cerca de 100 metros abaixo do actual. Nas imediações de Vila do Porto, aparecem espessos depósitos de barro vermelho que deram origem a uma importante indústria de olaria, hoje quase desaparecida, e à exportação de bolas de barro para Vila Franca do Campo e Lagoa, constituindo assim a principal matéria prima da olaria tradicional micaelense.
A costa da ilha é em geral escarpada, atingindo os 340 metros de altura nas arribas do lugar da Rocha Alta. A ilha tem um conjunto de pontas muito pronunciadas (Ponta do Marvão, Ponta do Castelo e Ponta do Norte), demarcando algumas baías abrigadas onde aparecem praias de areias brancas (Baía de São Lourenço e Praia Formosa). Ao longo das costas de Santa Maria existem alguns ilhéus e rochedos de dimensão apreciável, com destaque para o ilhéu de São Lourenço, o ilhéu da Vila e o ilhéu das Lagoínhas.
O povoamento é disperso, com as casas espalhadas por toda a ilha, formando pequenos núcleos ao longo das zonas mais ricas em água da parte ocidental e anichadas nos vales da parte oriental. O maior povoado é Vila do Porto, à qual está ligado o complexo habitacional e cívico que nasceu em torno do aeroporto, restos da estrutura urbana da antiga base aérea americana dos tempos da Segunda Guerra Mundial. A habitação tradicional é em alvenaria de pedra, com rebocos pintados de branco, barras coloridas em torno das portas e janelas e grandes chaminés cilíndricas, fazendo lembrar as casas alentejanas e algarvias.
O relevo e a riqueza de contrastes entre a terra e o mar, a que se associa o equilíbrio arquitectónico dos povoados, conferem grande beleza à paisagem mariense.

A economia da ilha seguiu os ciclos típicos da evolução da base produtiva açoriana, baseou-se na produção de trigo e pastel até ao século XVII, depois evoluindo lentamente para uma agricultura de subsistência assente numa produção cerealífera relativamente pobre, nalguns vinhedos anichados nas zonas mais abrigadas da ilha e, naquilo em que a ilha difere do resto dos Açores, numa importante produção de cal e de olaria, incluindo a exportação de barro para São Miguel e outras ilhas.
Periférica em relação ao arquipélago e em relação às rotas atlânticas da volta do largo, a ilha esteve excluída das rotas comerciais, dedicando-se quase exclusivamente à agricultura, a qual apenas deixou de ser o principal sustentáculo da economia mariense com a chegada dos norte-americanos na fase final da Segunda Guerra Mundial e com a construção por aqueles do Aeroporto de Santa Maria.
Com a construção do aeroporto internacional em 1944, o qual assumiu um papel central nas ligações aéreas através do Atlântico, a economia da ilha ficou dependente, quase em absoluto, das actividades a ele ligadas, primeiro à sua construção, para a qual se deslocaram algumas centenas de trabalhadores da vizinha ilha de São Miguel e de outras ilhas dos Açores, e de pois da prestação de serviços ao seu funcionamento e ao centro de controlo do tráfego aéreo no nordeste do Atlântico nordeste, que entretanto se instalou na ilha.
O aeroporto, operado como uma base aérea logística dos EUA até ao final da Segunda Guerra Mundial foi aberto, em 1946 à aviação civil internacional passando então para a soberania portuguesa. Serviu de pista de escala técnica de voos intercontinentais e é sede do centro de operações de controlo de tráfego aéreo na FIR Oceânica de Santa Maria. O aeroporto foi, durante muitas décadas, a única porta de saída por via aérea dos Açores, papel que deixou de desempenhar a partir da década de 1980, com o aparecimento de diversos aeroportos internacionais no arquipélago.
Com a evolução tecnológica que se verificou na aviação civil, permitindo à generalidade das aeronaves cruzar o Atlântico sem escalas, o aeroporto de Santa Maria foi perdendo importância. Outro factor contributivo para este declínio é a oferta, noutras ilhas, de alternativas aeroportuárias melhor equipadas e com melhor logística.
A recente decisão da ESA, Agência Espacial Europeia, de instalar uma estação de rastreio móvel de satélites na ilha veio reacender o debate sobre o futuro da ilha , hoje dependente quase exclusivamente das actividades aeronáuticas.
Ao contrário da generalidade das outras ilhas, a criação de gado e a produção de lacticínios nunca chegou a dominar a economia local. Ainda assim, a agropecuária constitui a base da economia rural do concelho, onde a área agrícola ocupa 47,6% do território. A actividade é praticada em pequenas explorações, destacando-se as culturas forrageiras, os prados e as pastagens permanentes. A ilha apresenta uma baixa densidade florestal, com apenas 19 hectares de área florestada de produção, salientando-se as plantações de criptoméria nas faldas do Pico Alto. As extensas zonas de matas são dominadas pelo incenso, zimbros e loureiros.
Quanto ao sector secundário, é de referir a existência de algumas serrações de madeiras, fabrico de blocos e de telha artesanal.
No sector terciário, essencialmente dedicado ao turismo, as principais actividades e atracções turísticas consistem na prática de desportos náuticos, nomeadamente windsurf, vela, esqui aquático, surf, pesca desportiva e mergulho. Também é possível fazer praia, passeios e caça ao coelho. Existe ainda uma estância de veraneio com alguma expressão na baía de São Lourenço.
A pesca também é factor importante na vida da ilha, embora claramente secundário em relação à actividade aeronáutica, ao turismo e à agropecuária.

Como nas demais ilhas açoreanas, uma das actividades culturais mais marcantes são as celebrações do Divino Espírito Santo, que remontam ao início do povoamento e ao papel de destaque que a Ordem de Cristo e os Franciscanos tiveram na vida religiosa do arquipélago. As festiviades incluem a coroação de uma ou mais crianças, em que o "Imperador" usa um ceptro e uma coroa de prata, símbolos do Espírito Santo, culminando com uma grande festa no sétimo domingo depois da Páscoa, o domingo de Pentecostes. Na ocasião são realizados os "Impérios" em honra do Espírito Santo, quando são distribuídas gratuitamente as chamadas "sopas", cozinhadas segundo as antigas tradições.
Para além desta festa, celebrada em todas as freguesias, decorre em Vila do Porto a celebração do Senhor Santo Cristo dos Milagres.
A 15 de Agosto ocorrem as festividades em homenagem à padroeira, Nossa Senhora da Assunção.
Ainda no mês de Agosto, no último fim-de-semana, há um quarto de século realiza-se, na praia Formosa, o festival de música Maré de Agosto, um dos mais concorridos do arquipélago, e que conta com atrações internacionais.
No Verão, a praia Formosa e praia de São Lourenço são as mais concorridas não apenas pelos banhistas como também para a prática de desportos náuticos.
A temporada encerra-se com a festa da Confraria dos Escravos da Cadaínha, nos Anjos, no início de Setembro.
A nível de artesanato destacam-se a confecção de louça e de outras peças de olaria em barro vermelho (cuja tradição atualmente se procura recuperar), as camisolas de lã feitas manualmente, as mantas de retalhos coloridas e os panos de linho, os chapéus de palha, os cestos de vime e vários objectos em madeira e ferro. Além de diversas cooperativas de artesãos, a ilha conta com um museu para expor o aspecto histórico e cultural desta produção: o Museu de Santa Maria, localizado na freguesia de Santo Espírito.
A ilha conta com várias unidades hoteleiras, de turismo de habitação e de turismo rural. Os circuitos pedonais e miradouros da ilha encontram-se bem sinalizados, permitindo ao visitante usufruir tanto das paisagens naturais quanto das informações sobre o meio-ambiente das áreas protegidas na ilha.
A gastronomia da ilha é rica, destacando-se o caldo de nabos, o bolo na panela, a caçoila, o molho de fígado, a sopa e a caldeirada de peixe. Entre os mariscos citam-se o cavaco, as lapas e as cracas. No campo da doçaria, citam-se os biscoitos encanelados, os de orelha, os brancos, os de aguardente e as cavacas. Entre as bebidas, o vinho de cheiro, o vinho abafado, o abafadinho, os licores de amora, de leite e a aguardente, são típicos.
Para os adeptos da pesca e da caça submarina, as águas da ilha oferecem sargos, vejas, pargos, garoupas, bodiões, cavalas, anchovas, bicudas e serras.
Enviar um comentário